sábado, 24 de setembro de 2011

Sobre escolhas e encruzilhadas

Tema: Encruzilhadas 
Podes dizer-me, por favor, que caminho devo segir para sair daqui? 
Isso depende muito de para onde queres ir - respondeu o gato.
Preocupa-me pouco aonde ir - disse Alice.
         Nesse caso, pouco importa o caminho que sigas - replicou o gato.
(Alice no País das Maravilhas - Lewis Carrol)
























Eis que o tema da semana é encruzilhada. A primeira coisa que veio em minha mente foi macumba.  É, gente, macumba, na encruzilhada, pipoquinha, pratinho de barro, pinga... Mas não, não vou falar aqui de nada relacionado à religião, até porque eu não tenho conhecimento a respeito disso. Prefiro enxergar a questão das encruzilhadas como caminho, direcionamento - ou a falta dele. 

Particularmente me vejo  hoje em uma encruzilhada. Durante boa parte da minha vida parecia que era tudo tão linear, tão "sei bem para onde vou, é esse o caminho" e de repente vejo estradas diferentes, rumos e possibilidades idem. E o que fazer? Não sei. 

Ver-se em uma encruzilhada significa estar diante de diversos caminhos, de decisões que precisam e devem ser tomadas. Para que a vida continue funcionando, para que você continue seguindo a estrada, é necessário fazer escolhas, deixar a tal da encruzilhada para trás. Mas às vezes é complicado fazer isso sozinho. Chega uma hora em que você se vê acompanhado ali também e não pode deixar o outro pra trás sem saber que caminho tomar. Às vezes a vontade é de ter alguém para pegar na sua mão e dizer "aqui, para esse lado"

E qual caminho tomar? Seria lindo se a gente sempre soubesse pra onde ir, né? Daí as encruzilhadas não existiriam, mas no fundo eu sei que viver perderia todo o charme. Escolher o rumo que se deve tomar faz parte do aprendizado, do crescimento de cada um. É pegando a estrada da direita, da esquerda ou seguindo em linha reta que podemos perceber o que estamos fazendo certamente (ou não) e o que podemos mudar. Acho que é isso.

5 comentários:

Carolina disse...

Maria Rita, você tocou num ponto importante: quando não estamos sozinhas e temos alguém que queríamos que seguisse conosco ou então que nos levasse junto, pra onde fosse. Acho que nesse caso, as escolhas se tornam ainda mais difíceis...

Adorei o texto!

Ê!!! Seja bem vinda!!!!!
:)

Dai disse...

Opa, verdade! Seja bem-vinda!

Eu acho que é bom se deparar com uma encruzilhada, quer dizer que pelo menos a gente está andando.

beijo

Ana B. disse...

Bem vinda, Maria Rita!

Espero que essa escolha, de participar do meninas, seja uma das boas escolhas das encruzilhadas da sua vida! ;)

Maria Rita disse...

Obrigada meninas!
Realmente acredito que quando a gente não caminha mais sozinho é complicado, exige muita paciência... =/

Elaine disse...

Oi Maria Rita, seja bem-vinda!

Legal vc ter tocado no ponto da companhia, até pq em mtos momentos é o que precisamos mesmo, dessa mão amiga, por assim dizer, que nos indique o melhor caminho, ou nos encoraje se tivermos que voltar... Além do mais, conversando, o caminho nos parece mais curto!