quinta-feira, 15 de julho de 2010

Uma Mente Tamanho do Universo

"Eu poderia viver recluso numa casca de noz e me considerar rei do espaço infinito..." Shakespeare, "Hamlet”, ato 2, cena 2. "Hamlet talvez quisesse dizer que, embora nós, seres humanos, sejamos muito limitados fisicamente, nossas mentes estão livres para explorar todo o universo e para avançar audaciosamente para onde até mesmo a 'Jornada nas Estrelas' teme seguir - se os maus sonhos permitirem". Stephen William Hawking E assim começa a obra “O Universo Numa Casca de Noz” dedicada aos mais variados conceitos da Matemática e da Física, abordando desde assuntos como teoria quântica, conceito de tempo e expansão do universo chegando até em experimentos que eu não tenho a mínima capacidade nem de explicar nem de entender muito bem. Fato que não impediu uma reles mortal como eu de desfrutar das primeiras páginas deste premiado livro, pois a densidade dos conceitos físico e matemáticos é compensada por uma narrativa leve e bem humorada. E assim, lendo o começo deste livro, passei a me interessar pela vida e obra de Stephen William Hawking, dar atenção às suas entrevistas, aparições, estudos e documentários. Então descobri que a palavra gênio não descreve e nem reconhece tudo o que Hawking representa, ele é mais (e muito mais). Um verdadeiro exemplo de vida e de superação, que ultrapassa os níveis da inteligência e transcende e interdependência entre a mente e o corpo. Fadado à limitação física, ele abriu as portas para o seu interior, explorando os mil caminhos que a mente humana pode traçar quando aliada à alta capacidade intelectual. E a parte mais surpreendente de toda a sua história é o fato dele não fazer questão nenhuma de guardar esse tesouro adquirido em anos de dedicação e estudos para si e seu mundinho acadêmico. Pelo contrário, mais do que expor esses conhecimentos ao mundo, ele quis que os leigos entendessem do assunto. Por isso, fala da física e suas teorias do universo com simplicidade tamanha a tal ponto de acreditarmos na obviedade destes temas, mesmo sabendo que trivialidade não é palavra de ordem nesta ciência. Contudo, em sua obra simplicidade jamais poderá ser confundida com mediocridade. Ele explora o abstrato com uma segurança desconcertante. E até chega a afirmar que a Teoria da Relatividade de Einstein (sim, o Albert) falhou ao tentar descrever os momentos iniciais do universo e não incorporar o princípio da incerteza. Para alguém contestar com propriedade a Teoria de Albert Einstein e, desde 1979, ocupar a cadeira de Isaac Newton como professor de matemática na Universidade de Cambridge, este alguém deve ser no mínimo genial. Por isso volto a afirmar: Stephen Hawking é mais! Mais do que um gênio figurando nossos livros de Física em fotos amarelada. De carne e osso, ele está aqui dividindo esta dimensão de tempo, interagindo diretamente com a criação de novas teorias e, o principal, nos ensinando a lidar com isso. Para se inspirar: Explosions In The Sky. Vale o Click! Beijos e até semana que vem, Cah*

3 comentários:

Ana B. disse...

Stephen Hawking é o gênio favorito da minha mãe! Ela queria pq queria q eu escrevesse sobre ele... Mas confesso que nunca li nenhum dos livrozinhos dele que ela tem por aqui...

agora tenho mais um motivo!

Dai disse...

Orra,

Que belezura de texto!

o0

Me orgulho dessas meninas!!

Cah, essa semana, principalmente, estou muito feliz em conhecer e saber mais de pessoas tão inspiradoras. Como disse várias vezes aqui, são pessoas que vão além e muito além [de tudo e qualquer coisa]

beijo²

Geisa disse...

Cah,

Ele, realmente, é fantástico! Pensei em escrever sobre ele mas, não me atrevi! Senti-me realizada em suas palavras! Obrigada! Ele é mais do que genial! Adooooro!!!!

Bjos