quarta-feira, 14 de julho de 2010

Gênio Brasileiro das Nuvens

Olha só, eu, Dai, aparecendo em dia errado. Mas a ocasião pede. Hoje nós temos uma nova participante. Sim, a Tati teve que sair, navegar sob a força de novos ventos e agora temos uma nova improvável: a Ana B. Tati, valeu muitíssimo pela participação, e já sabe, sempre estará em casa.


Bom, mas tenho que dizer a verdade, a Ana é super provável, já tem blog, na verdade, quatro. É acostumada a escrever, escreve supeeer bem e tem uma ironia adorável. Enfim, escolha super provável, só não era certa porque havia a possibilidade de ela não aceitar, mas ufa...aceitou! Hoje ela estreia, seja bem-vinda!


= * =


Essa coisa de pessoa genial pode parecer algo muuuuuito distante,  por isso eu queria um gênio brasileiro, para pelo menos sentir como algo mais próximo. Pensei em Machado de Assis e Villa Lobos, não sei qual o Q.I. de cada um, mas das coisas que li por aí, o que mais achei interessante foi a idéia de que ser gênio não é uma questão de Q.I., mas de modificar a maneira como as coisas são feitas, de mudar o curso da história, pelo menos do meio onde atuam.

Por fim, estava  conversando com uma grande amiga catarinense, falando de gênios e da minha mente aérea,  e ela acabou me sugerindo Santos Dumont. Como não pensei nele antes, estando com os pés tão longe do chão?

Santos Dumont era mineiro, e eu adoro mineiros (sem malícia, meu pai é mineiro)! Santos Dumont era neto de um francês, eu adoro francês (sem malícia, o idioma francês)!

Como era um cara esperto, afinal estamos falando de um gênio, Beto Dumont (acabo de me tornar íntima dele, e pra mim todo Alberto é Beto) começou as coisas pelo começo! Você pode achar isso muito óbvio, mas a verdade é que o mundo está cheio de gente (principalmente do sexo masculino) que prefere começar as coisas pelo meio ou pelo final, e por isso quebra a cara muito mais do que o necessário.

Beto Dumont começou olhando as nuvens, quando criança e pensando que o homem deveria aprender a voar um dia! Aí fez umas pipas psicodélicas, enquanto dirigia tudo quanto é maquininha da fazenda de seu pai, consertava a máquina de costura da sua mãe e fazia outras coisitas, que muita gente leva a vida inteira pra NÃO aprender a fazer.

Gênio também tem azar, então o pai dele sofreu umas aflições, e Beto foi pra Paris com o pai em busca de um tratamento médico. O pai de Beto sacou que tinha um filho esperto, por isso alforriou emancipou o filho, e como eles tinham uma situação financeira confortável , Dumontzinho ficou ali naquela cidade horrorosa, aprimorando seus conhecimentos de gênio para um dia se dedicar a um vôo mais bem sucedido que o de Ícaro!

Nessa época ele pensou em dar um rolé em um balão maneiro, mas ele não tinha cacife para tanto, teve que se resignar a sua vida de gênio e se dedicar ao estudo de automóveis, procrastinando o momento de tirar, de maneira literal, os pés do chão.

Até que um dia ele fez o seu próprio balão, e depois um balão dirigível. Com o balão dirigível ele deixou os franceses embasbacados ao conseguir coincidir o ponto de partida com o ponto de chegada! Ele andou em círculo, minha gente! Aquilo que faz a gente sofrer na vida amorosa, ao ser feito por Beto Dumont em um dirigível, chamou a atenção da cidade das luzes! E você acha que ele ganhou uma medalha com isso? Sim, ganhou! Talvez nós também conseguíssemos medalhas se parássemos de andar em círculos com o coração e passássemos a fazê-lo com alguma coisa voadora.

Acho que seria difícil resistir aos encantos de um gênio, imagina no caso de um gênio generoso? Santos Dumont era generoso! Ganhou um premiozinho básico de 100.000 francos ao dar uma volta de dirigível em torno da charmosa Torre Eiffel, e ao invés de comprar tudo em camisinha balinha ele dividiu a bufunfa entre os pobres e os mecânicos que o ajudaram no projeto! Não foi um fofo?

Era um fofo genial e ainda por cima transitando no centro das atenções de dois países! O Brasil mandou um premio de reconhecimento, o aero clube da França oferecia banquete e o gênio nem pra bancar o homem comum, não deixou o ego inflar, nem sossegou! Para o alto e avante!

Para o alto e avante sem ser extra-terrestre como o superman, ou seja, sem capinha vermelha e colant azul! E também sem asinhas falhas como as de Ícaro! Para o alto e avante com estilo, meu bem! Para o alto e avante com o 14 bis! Que design! Que gracinha! Que orgulho!  Aí ele ganhou uma estátua na França, a casa onde nasceu do Congresso Brasileiro e de brinde uma cadeira na Academia Brasileira de Letras (a ex de Graça Aranha), mas dessa ele não se apossou.



Essa é a parte da historinha do Gênio Brasileiro das Nuvens que me chamou a atenção, em versão a  la “miguxa do leitor”! Não farei sempre isso (prometo!), mas essa coisa de nuvens mexe comigo!  Ainda mais falando sobre um cara assim, que soube ir tão longe, se inspirando só ao olhar nas nuvens! 

10 comentários:

Dai disse...

Ana B.

Mas que coisa mais boa! Que bom que você falou sobre um gênio brasileiro, mesmo mesmo! Eu jamais ia pensar nele, apesar de ele merecer muitíssimo.

Seja bem-vinda, de novo! E puxe a cadeira, o colchão, enfim, a casa é sua...rs

=*

Lucão disse...

Ahá! agora aculá e aqui.
Muitcho bão, tudo. o texto e ler a srta nesse canto.
Gosto dos dois

ℓ.mirella disse...

Ah, gostei muito desse post!

E eu queria voar todo dia, mesmo com asas emprestadas...
Mas...né, o mundo precisa descobrir que sou gênia tb, pra ganhar uma grana, e ao contrário do gênio citado no blog, sem humildade alguma, quem sabe compraria até asas para mim...huhuhu ¬¬

Ah, vc falou q nuvens mexe contigo, nuvens mexem com minhas lombrigas, imagine pq! Há, vc sabe!

Beijo Ana B.

Lana Raquel disse...

Santos Dumont é certamente um gênio brasileiro que merece ser lembrado.

E seu resumo da biografia desse ilustre brasileiro ficou excelente! =)

Adorei sua estreia, ainda que sem sarcasmo e ironia!

Bjo

Alline disse...

Ana, vou te dizer uma coisa, e não tenho vergonha - conhecia quase nada da vida do Betinho. Visse como fiquei íntima depois da leitura do post? Adorei ter vindo e vou embora feliz, com um pouco mais de história para contar.
Valeu!!!

Beijos mis, e escreva sempre mais.
Teu estilo é único!

Raquel disse...

Nossa...Beto Dumont, simplesmente adorei. Assim ficou intimo!! Eu acharia até que se trata de um ex caso, entretanto homens como Santos nao existem mais, talvés isso tenha feito dele um gênio? Mas enfim acho que o gênio da lâmpada seria uma boa pedida pra uma proxima vez hehehhe. Brincadeira!!! Tô passando só pra dizer que é muito bom ler as crônicas da Ana, divertidas, leve ou não, depende do humor; cheias de ironias ou de desilusão e cheias de verdades que por incrivel que pareça são verdadeiras !!!! hehheh É que convenhamos existem verdades que só que as dita acredita...Bju Nó parabens!!

Ana B. disse...

Ai gt, com tantos comentários legais me senti mais que incentivada, e super em casa!

=)

Geisa disse...

Oi, Ana!!!

Seja bem-vinda!!! Adorei o seu post, seu jeito de escrever!!!

Obrigada!!

Bjos

Ana B. disse...

Obrigada eu!

xD

Pensamentos Diretos disse...

Caracas, muito deliciosos o jeito que você escreve! esse blog eh mto bom! não dá vontade de parar de ler.....