terça-feira, 13 de julho de 2010

Um pouco sobre Tales e sobre a filosofia...

Escreverei, aqui, sobre um pensador bem antigo como forma de lhe agradecer por ter sido uma das primeiras pessoas, de que temos registros, que organizou sua maneira de pensar a fim de ultrapassar as barreiras visíveis e superficiais da realidade: Tales de Mileto.

Ele é do século VI a.C. e não é um consenso a informação de que, com ele, tenha nascido a filosofia. Alguns estudiosos, como Jakob Brucker, dizem que a filosofia é bem anterior a esta data. No caso desse estudioso, ela remonta sua origem às épocas de Adão e Eva, e diz que a filosofia alimenta-se de si mesma, existe por existir, sendo auto-suficiente e não precisando de alguém para criá-la. Outros, dizem que nas poesias de Hesíodo ou Homero já estavam presentes os primeiros sinais do filosofar.

Como, nessa pequena polêmica sobre o nascimento da filosofia, sempre está presente a figura de Tales, dedico a ele essas linhas. Não apenas por isso, mas, também porque acredito que quebrar uma linha natural de vivência e disseminar novas ideias e raciocínios não é algo fácil. Ainda mais, quando se faz com que essas ideias se espalhem por todos os lados e com que permaneçam por muito tempo vívidas.

Tales se questionou sobre a origem das coisas e trouxe sua contribuição dizendo ser “a água o princípio das coisas” e dizendo que “tudo estaria cheio de deuses”. Interpretado de diferentes formas, seu primeiro enunciado pode indicá-lo como materialista ou precursor desse pensamento em uma primeira leitura. Porém, essa informação é questionada quando se considera o contexto de sua segunda afirmação: de que os deuses permeariam tudo. Segundo Aristóteles, quando Tales falava sobre a água, poderia se referir ao referia à lenda do oceano como rio originário e do Estige. De acordo com essa ligação, percebe-se que não estão desconexas as propostas feitas por Tales. Seu pensamento se voltava a um princípio único presente em tudo.

Mesmo considerando que Tales não se desligou da origem divina que daria sustentação a tudo o que é, é de uma grandeza admirável sua proposta questionadora, a qual se vê presente e viva nos maiores gênios de todos os tempos e de atualmente.

Sendo assim, deixo o meu agradecimento a todos esses pensadores e questionadores, que trouxeram luz à Terra, usando de sua inteligência e genialidade para proporem perguntas e respostas de modo a quebrarem a calma e tranquilidade do mundo e da vida rotineira, possibilitando saltos evolutivos inquietantes desde sempre até os dias atuais.

3 comentários:

Dai disse...

(não vou levar em conta que se trata de gregos :P)

Esses questionamentos me lembraram um livro que li: O queijo e os vermes, apesar do nome aparentemente bobo, a história contada nele é de um 'aldeão', na época da Inquisição que começa a questionar todos os preceitos, sobretudo a Teogonia. E é uma história verdadeira, construída a partir dos próprios arquivos da igreja. É magnifíco como certas pessoas são capazes de irem tão além, serem precursores de ideias grandiosas.

Essas pessoas merecem respeito antes de tudo, mas justamente por isso, porque tiverem coragem.

beijo

Geisa disse...

Dai,

Obrigada pelo seu brilhantismo! Sua última frase me ajudou muito: foi justamente isso o que eu quis dizer.
Obrigada, beijos

Ana B. disse...

é engraçado (ou seria triste?) como a evolução da humanidade como um todo pode ser atribuída a uma pequena percentagem de cabecinhas geniais