sábado, 8 de outubro de 2011

Vaidade

(latim vanitas, -atis)
S.f 1. Qualidade do que é vão, inútil, sem solidez nem duração.
2. Fatuidade; ostentação.
3. Vanglória.
4. Futilidade.

Na semana dos pecados capitais, coube a mim falar sobre a vaidade. Diferente da inveja e de alguns pecados como a avareza, acho muito complicado alguém dizer que não tem vaidade. Sério. Ela é considerada um dos mais graves pecados, uma vez que quase ninguém está livre dela, seja em maior ou menor grau.
Beleza mesmo nunca foi meu forte e mesmo assim acho que sou bem vaidosa, de gostar de creminhos, roupas, sapatos, essas coisas “de mulherzinha”. Já foi o tempo que vaidade era coisa única e exclusivamente feminina, prova disso são metros sexuais, uber(?) sexuais e tantas outras denominações.
Ser vaidoso não é de todo ruim. Cuidar de si é bom. No entanto, o homem costuma extrapolar, ser soberbo e se jogar demais nesse “pecadinho”. Daí os problemas são vários: esquece-se do resto do mundo pela vaidade; pessoas abusam dos tratamentos estéticos e ficam irreconhecíveis, podem desenvolver distúrbios alimentares. Deixa-se de cuidar da mente para pensar no corpo – e há casos de preocupação excessiva com a intelectualidade, deixando de lado todo o resto.
Por conta da vaidade há a perda da essência. Vira-se algo para agradar aos demais. Veste-se uma máscara, vira-se um personagem. É o batom caro para chamar atenção das amigas, o sapato que viu na TV e o indivíduo compra para que todos o elogiem. É o excesso de maquiagem, o gasto abusivo com aplicações de Botox. Tudo culpa dela, tsc tsc.
A busca eterna pela árvore da juventude, pelo elogios infindáveis ainda vai acabar com o mundo, levar muita gente para o buraco. O rabo do pavão é lindo, mas ele, por si só, não significa muita coisa além de causar admiração.  


4 comentários:

Para Glória de Jesus Cristo disse...

Boa noite

Um salmo, sem motivo especifico por ter deixado no seu blogger, mas especifico para que leia as Escrituras de Deus, pois ela sempre fala ao nosso ser.

SALMO 1
1 BEM-AVENTURADO o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.
2 Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite.
3 Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará.
4 Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha.
5 Por isso os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos.
6 Porque o SENHOR conhece o caminho dos justos; porém o caminho dos ímpios perecerá.

Abraços
Jesus Cristo te Ama!

Estante Seletiva disse...

Olá,
Parabéns pelo blog! Estou seguindo.
Segue lá também..

http://estanteseletiva.blogspot.com/

renatocinema disse...

O fato não é ter vaidade, o que todos temos, é a dimensão que isso tem em nossos corações cruéis, insensíveis e insanos.

Eu acho.

Carolina disse...

Acho que esse pecado é o que vai além... e quando é desmedido acaba até dando espaço para que outros pecados sejam cometidos. A vaidade pode levantar uma pessoa, ressaltar suas qualidades e fazer com que ela se destaque diante de outras, mas também pode derrubar, diminuir e fechar a cabeça de quem abusa dela pra tantas outras coisas interessantes e indispensáveis, como a simplicidade e a naturalidade do ser.