terça-feira, 17 de maio de 2011

Há opções.


Não creio que qualquer indicação de que o fim está pronto desde o início seja lá muito coerente.  No máximo existem escolhas à nossa escolha!

Há os que vencem; os que sempre vencem; os que nunca vencem; mas, seja como for, atribuir nossas conquistas ou derrotas ao vento, ao sangue, à cruz, à espada só faria sentido se essa vida fosse realmente um jogo, e os Homens peças inanimadas dela, o que não é o caso.

Um cara decidir comprar uma caixa de bombom para revender, com dinheiro que havia pedido emprestado, ao invés de comprar o remédio da esposa que estava grávida, parece coisa de mente, corpo e coração miseráveis, mas ele vendeu os bombons, ganhou o suficiente para pagar o empréstimo e mais bombons, e hoje sua esposa mora em cobertura de luxo. Sorte ou escolha?!

Esse ex morador de rua e ex camelô decidiu entrar no ramo das balinhas a pronta e simpática entrega e superou a pobreza que ele poderia crer seu destino, mas acho que lá no fundo ele também sabia que o destino dos que foram dotados de inteligência e sanidade é escolher. 

2 comentários:

Ana B. disse...

dizem nas aulas e palestras de adm q sorte é a união de oportunidade e capacidade...

mas existem alguns capazes de criar oportunidades, e outros que tem o tino pra sempre fazer a escolha certa...

mas é preciso que existam os fracassados para que existam os vencedores. então, faço a minha parte, fracasso! hahaha

Dai disse...

Então, acho que a nossa parte é fazer o que acha certo, independente de qualquer coisa. Como você disse, jogar ao vento a culpa por seu destino não ajudará em nada.

beijo