sexta-feira, 6 de maio de 2011

Do trabalho

Me perguntaram por esses dias:

- Você pensa em parar de trabalhar?

Fiquei sem entender e como se não tivesse ouvido direito:

- Como assim? O que você quer dizer com "parar de trabalhar"?

- Ah, quando você casar...

- Nunca.

Parar de trabalhar é uma coisa que nunca me passou pela cabeça. Muito menos parar de trabalhar por causa de casamento. Principalmente quando casamento não é exatamente uma prioridade.

O fato é que eu ouço todo dia gente dizendo para eu desistir da minha carreira. Que as coisas estão difíceis, estão para todo mundo. E eu sabia que a minha área - educação - não era um mar de rosas. E não me initmidam as coisas que tenho sentido, ouvido, visto.

Gosto do que faço. E mesmo se não gostasse... O que as pessoas têm com isso? Estou dizendo isso porque acho um desperdício terrível as pessoas que - por não gostarem do que fazem - desempenham suas funções mal e porcamente. 

Todo mundo diz que você tem que gostar daquilo o que faz. Mas nem sempre é possível. E mesmo quando a gente faz o que gosta, haverá momentos em que tudo vai parecer péssimo e a vontade será a de sair correndo. E nem assim a gente sai, porque o compromisso com nosso trabalho é maior. Ou não?

Somos definidos muito mais por aquilo o que fazemos do que por aquilo o que dizemos. E o modo como exercemos a função que desempenhamos na sociedade - de varrer as ruas da cidade à construir prédios - tem a ver com o que somos e como encaramos a vida e nossas responsabilidades.

2 comentários:

Carolina disse...

Poucas pessoas conseguem ter essa consciência da importância de levar o trabalho a sério e com responsabilidade. Seria maravilhoso se conseguíssemos unir a valorização pessoal à material, não é mesmo?

Beijos.
:)

Daniel Savio disse...

Sei lá, parece que este tipo de comentário é entrelaçado com um pouco de inveja, pelo menos penso assim...

Fique com Deus, menina Frau.
Um abraço.