domingo, 10 de abril de 2011

Nos anos 80 era moda.

Se o dono de uma marca aparecesse ao lado de uma modelo seminua na propaganda, você compraria?

Bom, eu não. Hoje em dia, acho que a maioria não compraria. Posso estar enganada, mas creio que não é comum o próprio dono participar como garoto propaganda do anúncio publicitário, exceto em alguns casos em que o cara possui uma trajetória brilhante de modo que seu histórico dê credibilidade à marca.

Nos anos 80 Luiza Brunet foi a garota seminua ao lado do empresário, confere só o que a @Tina_Lo me mostrou:



E não é só a modelo seminua e o empresário com cara de cafetão, é o cabelo da Luiza Brunet, o cós da calça, a pose, enfim, uma série de detalhes que dão a impressão de que faz 1 século e não quase 30 anos, que te fazem pensar: “meu, essa propaganda funcionou?”.

Não sei se funcionou pra Dijon ganhar mercado, mas funcionou pra eu rir quando vi a propaganda.

4 comentários:

Alline disse...

huahuahuahuaaa

Eu tive uma calça dessas! Era ridícula mesmo, mas eu tinha uns 11 anos e nenhuma noção. Tô perdoada, né?

Beeeeeijo, Ana!
Vi tua mensagem, respondo amanhã com calma... tô indo dormir. Boa semana pra ti =)

Carolina disse...

Eu acho que as propagandas refletem muito do que as pessoas eram e sentiam na época. Com certeza, pra época, ela devia fazer algum sentido. Ou pelo menos parecer fazer pra alguém, já que hoje em dia eu percebo que as propagandas forçam muito e chegam a mostrar coisas que não existem na nossa vida, realidades ilusórias.

Dai disse...

Se você não dissesse que era propaganda eu ia imaginar que era uma versão "Sandra Rosa Madalena".

Ainda há propagandas estranhas, tem aquela se sapatos, protagonizada pela Cleo Pires e a Juliana Paes em cenas semi-nuas e posições calientes. Tinha uma que o único destaque da foto era o maiô, mas a intenção não era vender o sapato? 0_o


beijo

Lucão disse...

A propaganda de antigamente era bem antiga, né?
hehe
mas o consumidor mudou muito, nos motivos da compra, até na forma que ele compra.

A mulher, nessa época, por exemplo, era ainda mais discriminada e os anseios dela ser mulher independente eram ainda maiores...
vai que é por esse linha que se justifica esse anúncio, né?
rs

gostei do tema.