domingo, 28 de novembro de 2010

O descuido de não saber mentir, de só saber sentir.

Ela nem sabia o que sentia, mas sabia que era muito. Não cabia dentro dela, saía pelos poros, e não de uma maneira bonita. Uma vez solto, o sentimento se esfregava na cara das pessoas, magoava os sensíveis, insultava os conservadores, assustava os desavisados e, principalmente, enlouquecia-a.

Como não sabia o que fazer do muito que sentia, como não sabia o que fazer dela mesma com tanto sentimento, ela cantava:

E sinto muito
Por muito sentir
Meu descuido
Não saber mentir
Tenho escudo
Quero uma escada
De preferência sem degraus
Levo emprestada
Trago depois do carnaval

Los Porongas

2 comentários:

Dai disse...

Oba! Música *_*

às vezes acho que o problema não é o muito sentir, mas o muito querer demonstrar.

Sim, o problema é o apreço pelo 'querer chocar', pelo 'demonstrar-se diferente', deixar claro que as opiniões são outras.

beijo

ℓ.mirella disse...

Engraçado que a primeira impressão que dá, é que o "sentir" poderia ser uma coisa tp "transbordando sentimentos bonitinhos", mas muito pelo contrário pode ser uma menina com coração de pedra que não sabe mentir que tem um coração de pedra e isso é um insulto para os corações de manteiga...há!

Gosto da música, gosto do post!
E ela cantava..

;)