quarta-feira, 18 de abril de 2012

Easy for you to say


"In time or so I'm told
I'm just another soul for sale, oh well
The page is out of print
We are not permanent, we're temporary, temporary
Same old story"


E essa temporalidade jamais entendida? Eu acho realmente a vida um cansaço na maior parte do tempo. Se não bastasse o próprio modelo de organização que já torna as coisas chatas, ainda inventaram as etiquetas, as regras e o certo-unânime.

E não tem como fugir, a contra-cultura é uma lenda, entenda bem, quando você tenta ser diferente, quando você tenta não ser tão conscientemente um marionete, te rotulam mesmo assim, te impõem uma fragilidade: "deixa ele, deixa ele achar que não é manipulado" dizem os cinzas com seus uniformes e maletas.

Coisa chata pra cacete. 

E veja: não é possível mais a espontaneamente. Não interessa mais o que se faça, tudo será interpretado pela fresta da impossibilidade de vida: "fulana? parece que não se importa, fala que não se importa, demonstra que não se importa mas no FUNDO no FUNDO, é claro que ela é igual a todas as outras pessoas - NÃO É POSSÍVEL ela não se importar".

Porque acham que não dá pra ser diferente. Mas dá. E as pessoas são, mesmo que no escuro, na madrugada, entre quatro paredes, escondidas, na internet em chats obscuros - mas são.

Essa receita pronta de dizer que está tudo bem. De me dizerem que está tudo bem. Mas não está porque meu orgulho anda sendo roubando a medida que me rendo mais e mais.

Eu quero é o caos.

Um comentário:

Madame disse...

Own ele é demais mew!

Sem palavras.