quarta-feira, 25 de abril de 2012

Autossabotando desde 86


"O igual-pra-igual espontâneo perde espaço pro desejo de acertar

E quanto mais espero, mais me nego e mais me faço afastar
Eu inventei o inalcançável você, me fiz escravo do meu medo de ser
E agora preciso me permitir"



Às vezes a gente não alcança as coisas porque deixamos que a nossa baixa autoestima as coloque a um ou dois metros da gente. Se estamos prestes a tocar, damos três passos para o lado. O boicote. 

O pior é que muitas vezes é um boicote mesmo, a outra parte não pediu nada, não disse que agindo de tal forma acertaria, não houve o pedido da encenação, mas a gente abandona o espontâneo e vai em busca  de fazer 'o que o outro espera'. E erra. E perde justamente o que havia chamado atenção, o elemento diferencial e desiste, porque daí aparece o "se ele não gosta de mim do jeito que eu sou, não me serve".

Sua besta, é você que já considerou tão desinteressante o que você é que se mostrou de outra forma. 

"E se eu te disser que eu quero aprender a me amar e te amar também ao mesmo tempo, você teria tempo?

Você mesma tem tempo? Aprender a se amar demorar, porque para isso é preciso se conhecer, depois, se aceitar sem autopiedade. Não há lugar para a piedade no amor próprio. 

4 comentários:

Carolina disse...

Aprender a se amar demora a vida toda. É preciso exercitar esse amor todos os dias.

:)

To gostando dessa semana, viu? Rsrs

Ana B. disse...

eu acho que aprender a se amar demora principalmente pq mts vezes as pessoas n percebem q n se amam =/

Nara disse...

Cê tá falando comigo, Dai? O texto foi pra mim? Sinto no meu mais intimo o recado. rs

Quando vamos aprender? Pelo menos o Leo entende.

Frau Forster disse...

Acho que a Ana tem razão!

Recentemente estou apredendo a me amar de verdade e também estou percebendo qur alguns namorados não eram MESMO tudo aquilo que eu pintei para eles... Triste, mas antes tarde do que nunca.