domingo, 5 de junho de 2011

O que eu penso sobre sorte.

Tema da semana: o que é sorte e o que é azar.

Não me considero uma pessoa de sorte, nem tampouco uma pessoa azarada, mas muitas vezes já fui acusada de ser sortuda, sim, acusada.

Algumas pessoas se sentem sem sorte, e lamentam, riem, ou tentam mudar. Outras se sentem sem sorte, e acusam os outros de lhes causar azar ou de serem sortudos, como se a sorte de um necessariamente tirasse a sorte de outros, torcem contra, invejam e enchem o saco.

Numa dessas da vida, conheci uma mulher, que trabalhava comigo e era louca. A louca uma vez me disse que eu era sortuda demais. A louca se considerava uma pessoa sofrida, apesar de ter um bom cargo, um bom salário, um filho lindo, ser uma mulher independente e relativamente inteligente. Sofrida ela era, realmente, não por ser azarada, mas por não ser capaz de ser generosa com os outros e muito menos de perceber que tinha tudo para ser uma pessoa feliz (menos sabedoria).

Remoendo as oportunidades que a vida lhe negou, ela se vangloriava do que tinha alcançado, mas negava aos seus subordinados beneficios oferecidos pela empresa, apenas porque não teve acesso as mesmas coisas quando estava batalhando a própria carreira. Ela me chamava de sortuda, porque eu tinha também conseguido algumas coisas, e era muito jovem, mas se considerava esforçada. Para ela o exito dos outros era sorte, o exito dela era esforço. Como entender?

Sorte, para mim, é como uma ideia que um professor meu citou em uma aula da faculdade, a união de oportunidade e capacidade. A pessoa tem a chance e tem a inteligencia para aproveitá-la. Azar é a pessoa ser burra ou pobre de espírito o bastante para nem mesmo enxergar a oportunidade.

No caso dessa ex-colega de trabalho, ela teve sorte no trabalho, ela teve oportunidade e teve capacidade e se tornou uma boa profissional, mas isso não se estendeu a todas as áreas da vida dela, ou pelo menos não se estendia naquela época. Ela continuava reclamando, do passado que ela teve, das oportunidades que os mais jovens da empresa tinham, que ela não tinha tido, bla bla bla... Repelia as pessoas que queriam se aproximar dela, conquistava a antipatia dos subordinados e dos colegas, enchia o saco pra caramba...

Enfim, esquecendo esse personagem que assombrou meu passado com suas reclamações...

É impossível ter sorte em tudo na vida, nem sempre estamos bem o suficiente para enxergar as oportunidades com clareza, e também não temos capacidade para tudo, de forma que possamos aproveitar todas as oportunidades. Contudo, a responsabilidade é nossa. Não podemos culpar os outros, nem pelo nosso suposto azar, nem pela sorte que eles têm. O que podemos é abrir os olhos, prestar atenção nas coisas, e arregaçar as mangas, para termos a capacidade de aproveitar as oportunidades que enxergarmos, da melhor maneira que conseguirmos.=)

3 comentários:

Helen disse...

Sorte, para mim, é o acaso. É surgir uma vaga para estacionar em frente ao local que você vai bem na hora que você passa, é o número da mega sena que você jogou ser sorteado. Essas coisas.
Nos aspectos de nossa vida onde temos controle de nossas ações e tudo mais, ninguém tem sorte. Nem azar. O fato é que "nem sempre estamos bem o suficiente para enxergar as oportunidades com clareza". Então o jeito é sermos esforçados sempre... e assumirmos a responsabilidades pelos nosso sucessos e fracassos.

Dai disse...

Seu texto tá bem explicadinho e o que mais me chamou atenção foi o que você disse sobre "se eu que fiz é esforço se foi você é sorte". É incrível como as pessoas fazem esse tipo de coisa. Todas as conquistas dos outros são fáceis, ou sorte, ou nem tão conquiiiistas assim. Mas se a pessoa consegue ligar o computador sozinha ele é mega esforçado e merece ser promovida. Isso me irrita

=/

beijo

Alline disse...

Ana, é que pra certas pessoas a grama do vizinho smepre é mais verde. Vai explicar...

Beijo pra ti!
=)