sexta-feira, 20 de julho de 2012

Definições

Tema: É como se fosse, mas não é.

É como se fosse amor, mas não é. Então é o quê? Era o quê? Achei a carta que escrevi para te mandar quando você terminou nosso namoro por telegrama - para estar noivo uma semana depois. 

Não era amor: nem seu, nem meu. Era temor? Amortemor? Medo de ficar sozinho. Medo da solidão. Medo de não saber lidar consigo mesmo. Era medo então?

É como se fosse medo, mas não é. Não achei nenhuma das cartas que você mandou, porque você não mandou. Só uma foto 3x4. Nela, é como se você fosse sério, mas não era.

Talvez seja rejeição. Orgulho ferido. Essa história de você implicar com as minhas roupas e falar de como as meninas te olhavam cobiçosas. Tudo gratuito. É como se você me quisesse como sua mulher, mas não queria. É como se você fosse homem, mas não é. É apenas um menino. Um menino lindo, mas um menino. Apenas.

 É como se fosse vidro moído, mas não é, mas me machuca. Vidro moído é areia que passa pela ampulheta. Vai logo e passa. Me deixa passar. Deixa o tempo me levar.

É qualquer coisa que me dói por dentro, por eu não saber o que houve de errado. É como se fosse de verdade, mas não é. É como se fosse pra valer, mas nada parece valer a pena. É como se eu ainda esperasse de mim todas as definições para o que tivemos. Mas dor é dor e não preciso me explicar.

4 comentários:

Nara disse...

Que mais lindo.
Mesmo.

Beijo

renatocinema disse...

Lindo mesmo.....e a definição final é bem verdadeira: Dor é DOR.

MN disse...

eu sempre preciso definir e explicar uma dor para poder superá-la. mesmo que não seja a definição verdadeira.

Carolina disse...

Dor é dor e não é como se fosse. É e pronto.