terça-feira, 11 de maio de 2010

Tato...


O Tato... Sentido esparramado pelo corpo!! É o sentido da proximidade, da proteção, o primeiro desenvolvido pelo feto! Não é racional, é instintivo e não é à toa que tem a pele como órgão responsável: ela é o maior órgão do nosso corpo! A gente sente o mundo por meio dela... A gente toca, bate, acaricia, beija, morde, coça, faz cócegas, arrepia, esquenta, esfria... Como é bom “sentir na pele”!!
É o tato “tocando” por meio desse grande órgão que nos envolve! Que combinação mais gostosa e sábia criada pela natureza!


A pele mostra, constantemente, o nosso limite com o mundo: segura e protege os nossos órgãos, sangue, fluidos, nos aquece, mostra até aonde podemos ir. Por suas várias terminações (ou seja, por sua combinação com o tato), nos manda parar quando é necessário: a dor avisa! Nos pede para continuar quando somos agraciados pelo carinho, pelo calor gostoso, pela brisa refrescante!

Tato, que sentido delicioso! Podemos até pensar: sem dor, tudo seria melhor! Porém, não é bem assim! Pessoas que não sentem dor – há vários causadores desse problema – não encontram limites, e a morte pode ser certa.

Tato... um sentido contraditório e lindamente completo: apesar de ser tão basal, nos permite os sinais do amor, do carinho, da afeição... nos traz a dor e o aconchego... o limite e a proteção! Vamos proteger, acariciar, abraçar, beijar mais! Tato...vamos tatear!?


4 comentários:

Dai disse...

Eita, as vezes a gente só percebe os limites dela com um ralado, né?

¬¬

Mas pele é bom, né? Remete a tanta coisa, "coisa de pele", carinho, cuidado, arrepio...uma delícia

=***

Nara disse...

Eu gosto do tato. Tato é tudo, é fresco, sensível, é gostoso!

Beijo,
nara

Daniel Savio disse...

Mas nem tem nada melhor que a sensação de duas bocas se tocando (vulgo se beijando)...

Mudança interessante de Layout.

Fique com Deus, menina Geisa.
Um abraço.

Lorenzo Tozzi-Evola disse...

Tentei escrever sobre nossos sentidos uma vez. Fui vencido pela simples infinidade de coisas que podemos fazer com eles. No meu post não caberia tudo, eu não lembraria de tudo, ninguém leria tudo. Até porque nasce sabendo.