sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Engole

Tema: Existe dignidade na dor?

Eu levo um soco no estômago e caio espatifada no chão. Sou pequena e leve, embora a alma por vezes pese. Fico olhando os pés passarem. Alguém escarra e aquilo espirra em mim. Dignidade? Não na dor, mas no modo como a encaro.

Sem drama, sem salseiro, sem a efusão das lágrimas que me consumiriam. Quando você se dissolve no próprio choro moído e doído. Digno é chorar baixinho, sem arroubos, sem delírios. Digna é a dor comedida de boa moça de família que engole o choro enquanto o mundo a engole. E aí?

Nem sempre dá, porque a dor me arrebenda o peito e as tripas sujam o piso frio e branco. A vida acética e meu corpo um tumor de quê? Digno então é pegar um pano limpo e pôr as tripas para dentro de volta. Mas, às vezes, elas precisam ser ostentadas:

- Olha, sou gente.

E, às vezes, é mais fácil ser digno em qualquer outra situação do que na dor.

2 comentários:

Daiany Maia disse...

Nossa, que texto mais poético.

Acho bonito isso, é meio complicado falar em dignidade na dor, mas faz todo o sentido ter dignidade na maneira como a encaramos.

beijo!

Carolina disse...

Dos seus melhore, com certeza!