segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Quem te viu, quem te vê




Essa é uma das minhas músicas preferidas do Chico. O trecho que eu mais gosto é “Eu não sei bem com certeza, porque foi que um belo dia, quem brincava de princesa acostumou na fantasia”. Acho que ele define bem o que a música fala. Pessoas que, de tanto fingirem ser outra coisa diferente do que realmente são, acabam acreditando na sua própria fantasia.

E é muito ruim quando você vê todo esse processo acontecendo. Você conhece a pessoa desde que nasceu, a vê crescer, brincam juntas, conhece seus medos, suas qualidades, sabe o que ela está pensando só de olhar pra sua cara, dividem todos os momentos. Mas, aos poucos, os caminhos vão se distanciando. E, quando olha novamente para aquele rosto conhecido, já não o reconhece.

No meu caso, parece mesmo que essa tal pessoa acostumou na fantasia, nas brincadeiras de criança, nos delírios de pequena. Infelizmente, não de uma boa maneira, pois quando é que achamos que nossas brincadeiras podem ser ruins? “São apenas brincadeiras”, pensamos. Até que se perde o limite entre a realidade e a brincadeira, entre o seguro e o perigoso, entre o certo e o errado.

Um comentário:

Dai disse...

Eu ando meio Matrix ultimamente...rs

Acho que toda realidade é um tipo de fantasia, em maior ou menor grau.

beijo, Mari!