quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Não existe amar demais

Tema: "Te perdoo por pedires perdão por me amares demais, te perdoo" 


Não acredito nessa coisa de “pessoas que amam demais”. Acredito sim em pessoas que se amam de menos e também em pessoas que “são possessivas demais”, “inseguras demais”, “traumatizadas demais”.

Existem vários tipos de amor, e isso é uma coisa complicada de se lidar. O amor é tido como algo tão sublime e muitas vezes como algo homogêneo. Só existe um jeito de amar e quase sempre – o meu. As relações humanas são tão sensíveis e acredito que muito por isso, porque a gente quer que o outro nos ame da mesma forma e fôrma que a gente.  Quem ama faz o que eu faço, é o que a maioria pensa.

E não é assim, tem gente que ama deixando ir, tem gente que ama sufocando. Tem gente que ama como a Felícia amava, lembram? Quase matando e fazendo ir às lágrimas o objeto amado. Não confio em amores assim. Não se pode ser infantil nas relações, com aquela maldadezinha experimental que algumas crianças possuem, de querer ver o que acontece se elas fizerem tal coisa. Tem gente que gosta de experimentar o amor do outro, ver até que ponto o outro suporta, até quando a outra pessoa não diz nada. Gente que acha que para o amor existe medidor. Não existe.

Não acredito nesse amar demais que machuca, o amor não devia machucar, ele deveria cuidar, e pra mim sempre foi assim, o verdadeiro amor deixa ir (se isso for o melhor para a outra pessoa), deixa ser feliz. Não existe isso de amar demais, o amor pode transbordar que se for amor será coisa boa. Agora amar de menos é assim, é não amar o que a vontade do outro queria. O quanto a outra pessoa precisava para se sentir segura. É não amar o suficiente para que o outro descanse no aconchego que só o amor correspondido oferece. 

10 comentários:

Nara disse...

Ah Dona Dai, o amor não dói, né? Não gosto quando as pessoas misturam os sentimentos e dizem que o amor dói. Pfff, não sabem de nada.

Saudade do amor correspondido, não existe nada melhor!

Beijo, frô!

Adoro seus textos!

Lucão disse...

amor na medida certa é o quanto cabe na gente, será?
pq tem gente que tem o coração bem grande, mas tem os pequenos tb...
os pequenos tb conseguem amar e transbordar, Só que não precisam de muito pra ficarem cheios. Bom assim tb.

Texto bom, hein...
pequeno e cheio.

Elaine disse...

Oi Dai, gostei muito do seu post, inclusive quando pensei no meu texto (que não saiu) também lembrei do "amor Felícia" rs...
Também acredito que "o amor verdadeiro deixa ir"...
Abraço.

Dai disse...

Nara,

isso mesmo, acho que há uma mistura de sentimentos, essa coisa que é demais e machuca já é outra coisa #nãoéamor.

e eu adoro a leveza dos seus =)

beijo

______________

Lucão,

então, o difícil é quando um tanque do amor já transbordou e o outro só tem 100 ml, às vezes é difícil esperar esse tempo, mas é assim mesmo. Cada um tem seu tempo e sua medida.

beijo!
___________________

Elaine,

obrigada =)
Tem gente que encara esse "deixar ir" ou "to indo" como uma falta de interesse, mas não é, é o amadurecimento pra saber que o amor, pelo menos entre os dois, não é mais suficiente.

beijo

Mari disse...

Daii,
Também concordo que o amor deve ser sensato, na medida certa. Mas como medir esse amor?
A Felícia, por exemplo, acha que o amor dela é que é o amor correto. Cada pessoa tem uma percepção do amor, por isso é tão difícil equilibrar relações amorosas.
Beijoss =)

Carolina disse...

O bom é quando a gente ama, ama, ama e não precisa se preocupar com medidas.

Lindo texto!!!

Dai, vc anda muito inspirada...
:)

Júlia disse...

Eu adoro quando alguem escreve sobre o amor como uma coisa para resolver os problemas, e não para criar mais para nossas vidas. Você fez isso com excelência! o amor é isso .. para sentir, curtir e...para amar ! :)

Frau Forster disse...

O amor não é uma coisa fácil mesmo e se fosse, não seria o que é. Gostei muito do seu texto e ele me fez refletir sobre várias experiências passadas;

- Será que era amor?

Desconfiar do afeto do outro por ele não se assemelhar ao meu é um erro bastante comum.

Mas como a gente sabe que era pra valer? Só por que o outro disse?

(matutações do meu post já pronto bah!)

mil beijos

Ana B. disse...

gostei do poost, dona Dai
tb nao acredito em medidometro de amor
qto ao amor machucar, acho q se for pra machucar, q seja quem ama, e nao o objeto do amor... apesar de objeto ser uma palavra estranha pra tratar do ser em questão...
deu pra entendeR?

Larissa Costa disse...

Eita... eu juro que tive uma conversa assim com alguém no final de semana! Que coisa, acho que estou tenho deja vú... rsrsrs

Adorei o texto e to tentando seguir exatamente isso, o amor solto, sem amarras! :)

Bjo s2