quarta-feira, 9 de junho de 2010

Memória a Cores

Sempre gostei de quadros e pinturas, apesar de ser uma péssima pintora. Na escola só sabia pintar casas, céus e mares, no mais quando me aventurava pelos campos da abstração o máximo que conseguia era misturar todas as cores de guaxe possíveis no papel e me deparar com um famoso tom de marrom, mais conhecido como “cor-de-burro-quando-foge”. Abandonei as tintas e pincéis já nesta época. Mas não ter dom para tal arte, não quer dizer que eu não saiba apreciá-la. Tudo bem que não seja uma eximia curadora ou crítica renomada de quadros, mas tenho minha opinião sobre o que gosto ou não gosto. E arte (aqui me refiro às sete artes) para mim é assim, cada um tem seu gosto e direito de decidir o que prefere apreciar ou não. Por ter este pensamento, não vou me dedicar falar que vocês devem apreciar este ou aquele pintor nem julgar que tal quadro é melhor que outro. Apenas quero dividir com vocês uma pintura que se entrelaçou à minha vida de uma maneira toda especial e que me faz visitar lugares do passado: “O Beijo” de Gustav Klimt. Lembro muito bem da primeira vez que eu o vi, ele estava lá estampando meia página do meu livro de Interpretação de Texto da 5ª série assim sem muitas pretensões. Apesar da falta de pretensão, hoje já nem me lembro do texto que o acompanhava, mas recordo que a pintura naquele dia me chamou muito mais atenção que a discussão sobre o mesmo. As cores quentes, a expressão de ternura da figura feminina e a paixão expressa pela posição das mãos e braços das duas figuras até hoje me encantam. Toda vez que eu o vejo, volto um pouco ao colégio, à difícil transição entre infância e adolescência e a descoberta do amor com todo o melodrama e intensidade que esta idade carrega. É isso que mais me agrada nele e acredito que seja este tipo de sentimento que me faça gostar de uma obra prima. E vocês Meninas e leitores, que pintura faz despertar sentimentos e memórias?

Um comentário:

Dai disse...

Eu também não tenho ou tive nenhuma vocação para pintura, de jeito algum ¬¬

Um dos pintores que eu mais gosto é o Magritte. Ele não me faz lembrar nada do passado, mas afora as cores, as imagens absurdas, o genialismo mesmo.

beijo