quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

O mensageiro do vento


Qual é o propósito de uma pessoa ao criar uma conta no Twitter? Pra que serve? Já me peguei fazendo essas perguntas e outras mais, ao navegar na página dessa mídia que virou febre. Eu e mais um monte de gente passa o dia todo acompanhando as novidades de artistas, blogs, jogadores de futebol, alguns sites de propaganda, algumas futilidades (que claro, não poderiam faltar), humoristas, amigos, entre outros perfis que nem eu sei o que na verdade significam. Em 140 caracteres é permitido que a pessoa venda o seu peixe. O que mais me chama a atenção são os humoristas, que se reinventam em perfis sobre personalidades comuns, do nosso cotidiano e fazem piada com tudo. Esses brotam, por todos os cantos. Tem pra todos os gostos.

Mas o que faz alguém criar uma conta e ir lá escrever alguma coisa pra qualquer pessoa ou todo mundo ler? É permitido falar o que quiser. Desde oração a palavrão. Tem pessoas que realmente têm o que dizer e é maravilhoso estar no trabalho, fazendo uma coisa bem chata e abrir a página, se deparar com uma frase interessante ou uma notícia importante, ou talvez uma piada idiota, mas que te faz relaxar por alguns segundos e soltar uma risada libertadora. Não se pode postar milhões de fotos. A onda aqui são as palavras. E é através dela que as pessoas se mostram, como querem ou como realmente são? Boa pergunta!

Já ouvi pessoas dizerem que o bacana é a possibilidade de comunicação com pessoas famosas. A chance de mandar um recado para um ídolo e ser respondido, ou o melhor: aquele cara que você acha foda retuitar algo que você escreveu. Nos sentimos próximos, cúmplices. É realmente uma sensação ótima.

Mas o que há em nós que nos faz soltar em uma página da internet coisas banais, do nosso cotidiano? Sem a menor idéia de onde isso pode parar, as pessoas dizem se estão bem, como acordaram, o que comeram no almoço, se brigaram com a namorada, se estão felizes, se têm planos pra quinta-feira à noite, se estão com fome. Talvez seja aquela coisa inexplicável dos quinze minutos de fama. Aquilo que mexe com nosso ego. Com certeza há os que pensam: é minha chance!

O que pra mim é indiscutível, é a força que essa mídia possui. Através de uma página na internet uma idéia pode ser divulgada, e consequentemente, incorporada por várias pessoas. É como aquela brincadeira do telefone sem fio, porém sem limites.

Vejo o Twitter como uma nova possibilidade de comunicação. Totalmente democrática, que se permite ser usada para o que bem entendermos. Resta saber por onde andam nossas intenções.

4 comentários:

Dai disse...

É verdade, perguntar para que serve o twitter, de fato, é uma coisa que eu sempre me perguntei. E apesar de ter um, ainda me pergunto, muitas vezes.

Muito legal o seu texto.

beijo!

Michele disse...

Acho que como qualquer outra ferramente da internet, nessa é também preciso cuidado, cautela com os limites da exposição! Acho bom sim manter o contato, falar casualidade, trocar figurinhas com amigos, mas mantenho meus pés no chão no que diz respeito à revelar minha vida no meio de tudo isso. Afinal de contas, a gente nem imagina quem possa nos ler.

Beijo, beijo!

disse...

Isso me lembra Leminski falando dos inutensílios. Ainda acho curioso como a ideia deu certo, ditando até a forma de se escrever na internet atualmetne

Daniel Savio disse...

Uso para mais comunicar a pessoas que tem o perfil nesta "rede social", só isto, não me sinto um produto deste site, sabe, criando conteudo e tal...

Fique com Deus, menina Carol.
Um abraço.