quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Declaração de Falência

Eu adoraria ter um lugar onde pudesse, realmente, me encontrar com Deus. Me sentir protegida, me aproximar do sentido da vida e sentir de verdade o que significa amar ao próximo como a mim mesma. Um lugar onde as pessoas aceitassem umas às outras, como realmente são e não houvesse preconceito, não houvesse disputa. Um lugar onde as pessoas fossem compreendidas.

E sinceramente (talvez por influência familiar) vejo a Igreja Católica como um lugar que tinha tudo pra ser assim. Mas, infelizmente, não é.

Quando vou à missa (geralmente um vez por ano, no Natal, com a família) me sinto feliz. Me sinto em paz. Acho que o clima nesse dia me faz pensar que posso ser uma pessoa melhor, já que sou abençoada por Deus por ter uma família maravilhosa (de um lado) e poder celebrar um Natal cheio de amor, paz, fraternidade, alegria e fartura. Nesse dia, é impossível esquecer que, do outro lado da minha família há discórdia, disputa, orgulho, deslealdade, falta de afeto, falta de sinceridade. Mas isso, é assunto chato e não cabe aqui agora.

O que quero dizer é que o lado da minha família que é muito católica e que me leva a viver a experiência do catolicismo, me faz pensar que a Igreja Católica tinha tudo para dar certo ainda hoje, porém, na minha opinião, fez escolhas erradas.

O ponto forte é a hipocrisia que existe dentro da instituição. O padre fala coisas e coisas durante a missa. Prega ações maravilhosas, atitudes nobres - atitudes cristãs, no sentido deles - e os fiéis acompanham, escutam, dizem Amém. Mas ao sair da igreja, não é bem do jeito que o padre falou que as pessoas agem. Não é mesmo! Em muitos aspectos.

A culpa é da igreja? Ou é do (in)fiel? Pra mim, é uma "culpa" dividida, um pouco para cada lado. Mas a igreja paga seu preço por não evoluir com o mundo. Pra mim, seria muito mais fácil se a Igreja Católica soubesse acompanhar, nas devidas proporções, as mudanças que ocorreram ao longos dos anos e trasformaram nossos costumes, nossas crenças, nossas opiniões e nossos anseios.

Por isso é que o lugar melhor que eu encontro pra falar com Deus, hoje, é aqui mesmo, comigo. É assim que me sinto acolhida e não preciso usar nenhum tipo de máscara e nem fingir nada.


Bom, quero deixar aqui meu pedido de desculpas pelo atraso na postagem e dizer que foi muito difícil escrever esse texto, porque é um tema muito polêmico. Haviam ainda muitas coisas a serem ditas, mas quando eu falo sobre muita coisa, me perco fácil. Por isso tentei abreviar e espero que os comentários resolvam esse problema!
Beijos! :)

2 comentários:

Dai disse...

Eu também acho que os preceitos cristão, como os de quase toda religião, são bons. O problema é a leitura e adaptação que as pessoas fazem deles. Sem contar que as pessoas semeiam coisas ruins e na hora da colheita dizem: foi permissão de Deus.

Como se Ele fosse responsável por toda a palhaçada que o povo faz.

Ótimo post.

bjo

Carolina disse...

Sem contar, que pra mim, tudo que envolve dinheiro não tem grandes chances de dar certo. Se a Igreja Católica resolvesse dividir toda a riqueza que possui com os necessitados, boa parte da pobreza sumiria. Pra mim, é o ápice da hipocrisia! Não podemos esquecer, claro, de entidades muito legais dentro do catolicismo, como por exemplo, a Associação de São Vicente Paulo, que existe há muuito tempo e ajuda bastante gente. Mas infelizmente, a Igreja é feita de seres humanos, que por melhores intenções que possuam, quando lidam com dinheiro, na grande maioria das vezes,fazem merda.