domingo, 6 de fevereiro de 2011

All about Eve.

All about Eve,  ou a Malvada, é um dos meus filmes preferidos!

Fui apresentada a ele pela coleção de filmes do meu pai, adorei os diálogos e me apaixonei pela Bette Davis! Recomendo o filme e a atriz!

A história é sobre uma assistente invejosa, a Eve, que tenta roubar tudo de Margot Channing, uma diva do cinema interpretada pela minha querida Bette Davis.

Eve (a de chapéu na foto) é sonsinha, mongolzinha, tosquinha... Todo mundo tem dó dela! Margot é voluntariosa, diz o que pensa e é passional, e por isso acaba perdendo o apoio dos próprios amigos, ao menos temporariamente.
E quantas vezes a vida não é assim, não é mesmo?

Pessoas ruins, como a Eve, acabam se dando bem e prejudicando boas pessoas, como a Margot. Isso não aconteceria se as Margot’s soubessem contar até 10 antes de rodar a baiana e perder a razão, mas acontece.

Acontece também porque a sociedade aprecia as mulheres sem sal. Durante séculos as mulheres só podiam lutar pelo que queriam por debaixo do pano, manipulando seus homens e o que mais estivesse ao seu alcance, desde que sem chamar a atenção e passando uma imagem inocente, como Eve fez.

No filme, a Eve é desmascarada... mas e na vida real?

6 comentários:

ℓ.mirella disse...

Pq não me espanto pela escolha do filme?


O filme é antigo mas a vida ainda imita bastante seu roteiro...mulheres sonsas e invejosas ainda tem aos montes por aí. Mas o lado positivo é que muitas mulheres já andaram se temperando aí, nada de falta de sal, nem de excesso de açucar e aquela pitada de pimenta, há.

Gostei Dônana!

Laninha disse...

Até percebo que na vida real os malvados são descobertos, mas o estrago que já fizeram nem sempre podem ser reparados depois disso... Coisas dessa vida cruel!

Het disse...

Mulheres sem sal são apreciadas por homens sem imaginação!

Gostei bastante do post!

Dai disse...

Ultimamente estou no clima de "permitir" que as pessoas sejam o que quiserem, inclusive, insossas. Mas, MAS, fingir ser o que não é só pra manipular os outros é uma coisa realmente ridícula. E tem muitas por aí, e tem muitas que se saem bem, e tem muita gente que mesmo sabendo que a outra está sendo falsa, prefere assim porque se sentem confortáveis.

Vai entender =/

Gostei do texto!

Carolina disse...

Esse tipinho aparece com bastante frequências nas histórias reais, sim! Além de ser rídiculo fingir ser o que não é, acho pior ainda viver em função de outra pessoa. E nesse caso, viver em função de prejudicar outra pessoa. Não dá pra entender!

É muito difícil saber lidar com essas pessoas, saber como reagir às provocações, etc.

Deu vontade de assistir ao filme!

:)

Daniel Savio disse...

As vezes não é o que vocÊ diz, mas sim como você disse que te faz o "errado da história"...

Fique com Deus, menina Ana B.
Um abraço.