sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Dá pra ser condizente com o que esperamos da sua etiqueta?


Tema da semana: Cadê sua etiqueta?


Eu tenho essa cara de boa moça de família que me irrita. Tenho uma cara de professora que só ficou mais intensificada com o recente uso do óculos. Pronto, fui etiquetada. Às vezes, eu sinto que não tenho muita escolha: tô na roda viva, tenho que dançar.

Dançar eu até danço, mas a coreografia é minha, os passos são meus.

Já ouvi algumas vezes:

- Nunca pensei que você...

Pois é. Aí eu abro um sorriso largo, dou uma baforada do meu cigarro imaginário, às vezes, até vou embora. People take us for granted - e não há nada mais frustrante. Mas eu não me chateio mais com isso.

Se meio mundo quer me etiquetar, por que não deixar todo mundo de boca aberta, sem fala, ao perceber que sou mais (e posso mais) do que a etiqueta que me colaram na cara?

Acho insuportável o exame que diz que estou acima do meu peso assim como aqueles que acham que conhecem a minha natureza por conta de meia dúzia de conversas. Se quiserem me por uma etiqueta, que ponham, mas sou eu quem terá o prazer de fechar as bocas alheias com ela.

4 comentários:

renatocinema disse...

Depois de um texto.......sou ainda mais seu fã.
Ter amiga poeta, de personalidade é raro hoje em dia. Mesmo ela não acreditando em príncipes.

Tenho uma amiga que diz que tem orgulho de ter ido em enterro de anão, pois eu tenho amiga poeta e de personalidade própria.

Marina disse...

Gente, história da minha vida. O povo acha que eu tenho cara de boazinha e fica todo ofendido quando não faço o que elas pensam que eu deveria fazer.

Enche o saco.

Carolina disse...

E vamos nessa arrancando todas as etiquetas que nos pendurarem pela vida afora. :)

Daiany Maia disse...

Nunca pensei que você escreveria um texto desses...

=P

Brincadeira, acho que todo mundo é signo mesmo, né? Cabe a gente dar outros significados, se resignificar.

beijo